Quem foi Martin Bucer?

Martin Bucer, nasceu em Sélestat, França, a 11 de Novembro de 1491. Membro da Ordem Dominicana, deixa o catolicismo em 1518, por influência de Martinho Lutero. Enquanto servia na região do Baixo Reno, na Alsácia, procurou reformar a igreja em Wissembourg, mas foi forçado a fugir para Strasbourg, onde exerceu grande parte de seu ministério. Nesse tempo, Bucer procurou mediar os debates entre Martinho Lutero e Ulrich Zwinglio sobre a doutrina da Ceia do Senhor. Mais tarde, Bucer foi parte activa nos esforços para a obtenção de acordos entre os evangélicos sobre os artigos de fé mais importantes, como na Confessio Tetrapolitana e a Concórdia de Wittenberg, trabalhando com Philipp Melanchthon neste último. Também exerceu profunda influência sobre João Calvino, especialmente na doutrina do Espírito Santo e ministério pastoral. Martin Bucer acreditava que os católicos do Sacro Império Romano poderiam ser convencidos a aderir à Reforma. Portanto, por meio de uma série de conferências organizadas pelo imperador Carlos V, tentou unir católicos e protestantes, para criar uma igreja nacional alemã separada de Roma. Esse acordo não foi alcançado devido, entre outras razões, aos acontecimentos políticos que culminaram na Guerra de Schmalkalden e ao isolamento do protestantismo no império. Em 1548, Bucer foi persuadido, sob coação, a assinar o Ínterim de Augsburg, que impunha certas formas de culto católico. No entanto, continuou a promover reformas na cidade de Strasbourg, até que esta aceitou o acordo e o forçou a abandonar a cidade. Em 1549, aceitou leccionar na Universidade de Cambridge, na Inglaterra, como professor de teologia, onde foi instrumental na segunda revisão do Livro de Oração Comum. Morreu em Cambridge, Inglaterra, em 28 de Fevereiro de 1551, aos 59 anos de idade, tendo influenciado fortemente as tradições luterana, calvinista, anglicana e puritana, sendo celebrado como um dos pioneiros do ecumenismo evangélico.